GESTÃO DE CARREIRAS – UM PROCESSO CONTÍNUO E PARTILHADO

Atualmente, a gestão de carreiras é a resposta mais completa face às necessidades das organizações modernas no que concerne a gestão dos seus recursos humanos.

Segundo Douglas T. Hall,
"carreira é o conjunto de atitudes, comportamentos e atividades que resultam em experiência que conduz as pessoas a ter sucesso ou não na sua vida profissional."

Que não se pense que esta responsabilidade ou atitude parte apenas das empresas, longe disso, nomeadamente na conjuntura atual. É fundamental que o profissional defina os seus objetivos com precisão sobre onde quer chegar dentro a organização. É importante que se estabeleçam metas de curto, médio e longo prazo, e que se definam prazos para atingir essas mesmas metas.

Já dizia Schein,
“o sucesso na economia do conhecimento vem para aqueles que se conhecem a si mesmos – as suas forças, os seus valores e como atuam melhor”.

Esta progressão tem várias fases de maturação, adaptando-se aos vários momentos etários, como por exemplo:

Dos 20 aos 30 anos, quando o profissional está no início de carreira, e tem como objetivo ganhar dinheiro para conquistar a sua independência. Este profissional procura oportunidades e desafios onde a confiança, a motivação e a expectativa de promoção estão mais evidenciadas.

Dos 30 aos 45 anos, em que o profissional se preocupa mais com a qualidade de vida e a segurança. Neste caso o desafio diminui. Este profissional é capaz de avaliar os seus resultados face ao que seria espectável atingir e admite possíveis falhas.

Dos 45 até 55 anos, perspetiva-se ser o auge da carreira, fruto do know how adquirido. Os profissionais que atingem esta fase encontram-se numa situação mais confortável, resultante de todo o planeamento estratégico e reajustamento da carreira. Contudo é necessário continuar a aperfeiçoar e a reciclar conhecimentos para que não se diminua o nível de competência.

Mais de 55 anos, esta é a fase em que o profissional pode aproveitar tudo o que foi conquistando, sem se preocupar demasiado com desafios ou dinheiro.

Deste modo, a eficaz gestão de carreiras deve ser encarada como um processo contínuo e partilhado, entre organização e colaborador, por forma a potenciar produtividade e rentabilidade bem como estimular a motivação no desempenho de funções.